Bolsonaro prevê uma “relação bastante conflituosa” com Alberto Fernández

O presidente do Brasil se referiu à possível presidência do candidato pela Frente de Todos e disse que  “quer rever o Mercosul”. Além disso, ele disse que o país ” marca uma tendência a ser a nova Venezuela”. 

Anteriormente, ele alertou que seu país se tornará um local de imigração de argentinos (Twitter).
Anteriormente, ele alertou que seu país se tornará um local de imigração de argentinos (Twitter).

O presidente do Brasil , Jair Bolsonaro , disse que terá uma “relação bastante conflituosa” com a Argentina caso o candidato da oposição, Alberto Fernández, vença as eleições presidenciais de outubro, e rejeitou que nessa possibilidade deixe unilateralmente do Mercosul . 

“Temos que ver como está a situação, ninguém quer se separar, não quero quebrar unilateralmente, mas o mesmo candidato que venceu a primária disse que quer rever o Mercosul . É um sinal inicial de que haverá uma situação conflituosa ” , disse Bolsonaro na noite de ontem a jornalistas.

Ele havia avisado anteriormente que o sul do Rio Grande do Sul poderia se tornar um site de imigração para os argentinos “fugindo” para o Brasil , caso Fernandez confirmasse sua vitória em outubro depois de derrotar o presidente Mauricio Macri por 15 pontos no PASO de domingo. .

Bolsonaro disse que a visita que Fernandez fez em 4 de julho ao ex-presidente e líder da oposição Luiz Inácio Lula da Silva , prisioneiro da corrupção na cidade de Curitiba, “é mais um sinal de que ele não quer se alinhar com o que uma vez nos alinhamos com Macri, com o presidente do Uruguai ( Tabaré Vázquez ) e com Marito (do paraguaio Mario Abdo Benítez)”.

Na conversa com jornalistas, o presidente brasileiro foi questionado sobre como ele poderia ajudar o presidente Macri do Brasil , que é o principal parceiro comercial da Argentina .

“Não se trata de ajudar Macri ou não, o dólar subiu, o mercado de ações … a taxa de juros subiu. Isso é um sinal, um país com esses números define uma tendência, sendo uma nova Venezuela e nós não queremos isso para o nosso irmãos do sul “, disse Bolsonaro.